Newsletter:
Joomla Extensions powered by Joobi

Aleluia! Cristo Ressuscitou! Na verdade ressuscitou! Aleluia! - Homilia Vigília Pascal 2017 - D. Jorge Pina Cabral

Homilia Vigília Pascal 2017

D. Jorge Pina Cabral – Igreja Lusitana

 

«Aleluia! Cristo Ressuscitou!

Na verdade ressuscitou! Aleluia!»

E agora?

Será que chegamos ao fim da festa, e de uma festa que por sinal teve um final feliz dado que o amor venceu o pecado, os maus foram derrotados e a própria morte foi vencida, como muito bem expressamos quando usando as palavras de S. Paulo questionamos: «ó morte, onde está o teu aguilhão, onde está o teu poder de matar?» (1 Coríntios 15,55)

Será que este é o «happy-end» de um conjunto de festividades que uma vez mais procuramos cumprir com rigor e seriedade? Tudo se iniciou há quarenta dias atrás com a solene celebração de 4ª feira de cinzas. Tudo desde então, procuramos realizar a preceito, e fomos desse modo vivendo o tempo quaresmal, a semana santa e o tríduo pascal que tem o seu clímax nesta celebração da Vigília Pascal. Depois do jejum, da abstinência, da renúncia, e em contraponto à paixão, ao sacrifício e à morte, agora, hoje e aqui, estamos a celebrar a Vida e a fazer Festa. Ficamos sempre mais confortados, é uma história que quer queiramos ou não tem sempre um final feliz, que é o da Ressurreição de Jesus. Um final feliz e vitorioso para o qual pouco contribuímos apesar de tudo ter começado com o nosso pecado, a nossa traição e o nosso abandono de Jesus Cristo. Apesar da nossa culpa individual e coletiva, que despoletou a Paixão e a Morte de Jesus, apesar de tudo isso, tudo termina bem graças ao grande Amor e Misericórdia de Deus.

A Páscoa está pois cumprida, e as nossas tradições pessoais, familiares e eclesiais bem realizadas também e (pensamos nós …) são garante de um futuro feliz. Podemos então voltar à nossa vida normal após o «sobressalto» da quaresma e da Páscoa, voltaremos até, iremos dizer nós liturgicamente e lá mais para a frente, ao «tempo comum».

Então e agora?

Verdadeiramente neste tempo de Páscoa que hoje se inicia, o questionamento e o refletir não nos levam a olhar para trás, como quem já cumpriu o que tinha de ser feito, celebrou o que havia a celebrar, mas antes levam-nos a olhar para a frente, como quem se abre agora a um novo caminho que se nos oferece.

A este propósito, na carta pascal enviada aos bispos anglicanos em todo o mundo, o sr Arcebispo de Cantuária, Justin Welby, cita S. Leão Magno, quando este padre da Igreja, num sermão no dia de Páscoa, exortou a sua congregação a «não confinar os seus pensamentos da Esperança Pascal à festa da Páscoa mas antes à santificação de toda a vida». Ou seja, verdadeiramente o que se nos oferece nesta Páscoa, em mais uma Páscoa (!), é a possibilidade de agora percorrermos um caminho novo, um caminho de discipulado intencional, de homens e mulheres livres na sua opção por Jesus Cristo e comprometidos na sua missão de fazer novos discípulos e de «batizar as pessoas em nome do Pai, do Filho e do Espirito Santo, ensinando-as a obedecer a tudo o que Jesus nos ensinou». (Mateus 28, 19-20)

A particularidade da Páscoa, é então, a de orientar a nossa vida, o nosso pensamento, o nosso querer, todo o nosso ser, para o futuro novo que a ressurreição de Jesus nos oferece enquanto seus discípulos; homens e mulheres que pela graça de Deus, acolheram já nas suas vidas através do Batismo, o Espirito de Cristo ressuscitado.

Páscoa não é pois um «happy-end» que uma vez mais se nos oferece, mas antes o inicio ou se quisermos o reinicio de um novo tempo, de uma nova oportunidade, na linguagem bíblica Paulina o tempo de uma nova criação que tem em Jesus ressuscitado o seu primogénito.

A pergunta que inicialmente colocamos: «e agora ?» deve começar a dar lugar  a uma outra … que poderá ser  «e agora como fazer para celebrarmos a Páscoa num caminho de santificação de vida ?»

A resposta percebemos, encontra-se no modo como assumirmos ou não a nossa condição de discípulos do Senhor Ressuscitado e de vivermos a Igreja como muito bem foi dito como uma «comunidade de discípulos que faz discípulos e glorifica a Deus». 

Como assumirmos então e cada vez mais e de um modo comprometido a nossa condição de discípulos, de homens e mulheres livres na sua opção por Jesus Cristo? (e que por isso estão hoje aqui nesta noite a celebrar a Vigília Pascal)

A resposta, como não poderia deixar de ser, está uma vez mais em Jesus Cristo e no modo como assumirmos na nossa vida, o sentido da obediência, da entrega e do despojamento que Cristo assumiu tão bem na sua vida terrena e que O levou da última ceia até ao Domingo da ressurreição.  

O alimento de Jesus (como vimos neste dias que nos precederam) foi o de fazer a vontade do Pai. Cristo foi obediente até à morte e morte de cruz. Nesta obediência e total dependência de Deus, Jesus encontrou ai a Sua força, a Sua alegria e a Sua liberdade. Nesta obediência e dependência de Deus, Jesus Cristo encontra o seu verdadeiro ser e o sentido da sua missão. Ele próprio no-lo afirma quando em João 8, 28 nos diz : «Quando tiverdes levantado o Filho do homem, então sabereis que Eu sou, e que não faço nada por Mim mesmo, mas como o Pai Me ensinou, assim faço». «Eu sou» porque «nada faço por mim mesmo». O ser de Cristo radica-se na Sua submissão ao Pai. Ele «é» porque «obedece». «Pai, se for do teu agrado, livra-me deste cálice de amargura. No entanto, não se faça a minha vontade, mas sim a tua». (Lucas 22,42). Ele «é» porque obedece ao Pai, e nós «seremos verdadeiramente», na medida em que como Ele também nós obedecermos ao Pai.

Então queridos irmãos, viver agora o Tempo de Páscoa que se nos oferece até ao Pentecostes, requer esta imitação do exemplo do Senhor Jesus, e este apropriar da sua vida. Requer a humildade da obediência à vontade de Deus, e requer dependência de Deus naquilo que Ele no Seu Amor nos tem para oferecer.

Obediência e dependência, duas atitudes, dois modos de estar e de ser, que chocam com a cultura e o entendimento do nosso tempo e talvez aqui quem sabe, a dificuldade em hoje nos assumirmos como discípulos de Jesus; por um lado ninguém quer obedecer a ninguém, por outro, ninguém quer estar dependente de ninguém. E no entanto, obedecer a Deus, e estar dependente de Deus, não nos priva do que somos nem nos priva da nossa liberdade, antes potencia o que podemos vir a ser e aprofunda a própria vivência da liberdade no exercício responsável da nossa vocação e daquilo que nos é confiado.   E verdadeiramente irmãos, nós somos livres em Cristo, porquê o que hoje aqui celebramos, nesta Vigília Pascal, é a realidade do sacrifício redentor de Cristo, nos ter libertado do poder do pecado…. «ó morte, onde está o teu aguilhão?»

Neste Tempo de Páscoa que agora se inicia, o «happy-end» dá lugar a um tempo de discipulado, em que devemos proclamar a Cristo, e revestirmo-nos d’Ele, isto é vivê-lo. Proclamar e viver o homem novo com o testemunho credível da nossa vida.  Mas sabendo sempre, queridos irmãos, que a novidade do homem novo, mede-se pela Sua obediência e conformidade à vontade de Deus na sua vida.

Na mensagem pascal, o Sr. Arcebispo de Cantuária convida os cristãos, uma vez mais, a juntarem-se a ele na oração do «Venha o Teu Reino» no período entre o dia da Ascensão (25 de Maio) e o dia de Pentecostes (4 de Junho). É um tempo novo que visa o aprofundamento da vivência da Oração e da prática da Evangelização à luz do que fizeram os primeiros cristãos conforme nos é apresentado nos primeiros capítulos do livro dos Actos dos Apóstolos. É um tempo novo que requer discípulos de Cristo Ressuscitado, um discipulado intencional e uma Igreja «comunidade de discípulos, capaz de fazer discípulos e glorificar a Deus».

«Venha o Teu Reino» é um movimento ecuménico e internacional que convida os cristãos em todo o mundo a juntarem-se em Oração com o objetivo de dar a conhecer Jesus Cristo. Na sua última reunião a Comissão Permanente da Igreja Lusitana decidiu aceitar este convite e promover iniciativas que visem o aprofundamento da vivência da Oração e da prática da Evangelização, procurando que entre outras, esta seja também uma via de concretização do tema Sinodal na vida da Igreja, das paróquias, das famílias e das pessoas.

Eis pois e desde já, uma vivência de Oração e de Evangelização a que somos chamados no testemunho do poder transformador da ressurreição de Cristo na nossa vida e na vida dos outros. Aquilo que aparentemente hoje terminava, aparece-nos desde já como um tempo novo, o início de um novo caminho com Cristo, em Cristo e por Cristo ressuscitado.

«Aleluia! Cristo Ressuscitou! Na verdade ressuscitou! Aleluia!»

Santo Tempo de Páscoa

Paróquia Lusitana do Bom Pastor, Vila Nova de Gaia, 15 de Abril de 2017

Download PDF

 

Igreja Lusitana Católica Apostólica Evangélica - Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por Luis Massa